BorderLovers,

Viagens na terra de ninguém.

Borderlovers é uma dupla de artistas portugueses composta por Ivo Bassanti e Pedro Amaral.

O seu trabalho centra-se sobretudo nas áreas da pintura e do desenho, mas também explora o vídeo e o som.

Conheceram-se no virar do milénio na dinâmica cena artística herdeira dos anos 90, década que em Portugal ficou marcada pelo lançamento de projetos artísticos e expositivos alternativos ao respetivo sistema institucional e da indústria. Tornaram-se rapidamente amigos e em breve cúmplices e compagnons de route. A Galeria ZDB, onde Bassanti teve o seu atelier durante muitos anos e onde ambos participaram em diversas exposições e o Ciclo de Exposições “Too Drunk to Fuck” comissariado pelo artista Joâo Fonte Santa, são os dois contextos em que mais se aproximaram.

Em 2010 acontecem as primeiras conversas sérias sobre o desejo mútuo de criação e desenvolvimento de um trabalho em dupla artística. Ambos fizeram outras parcerias – Amaral com os Sparring Partners (projeto coletivo de arte contemporânea fundado em 1995 com Alice Geirinhas e João Fonte Santa) e Bassanti com Binau, entre outras.

O nome “Borderlovers” surge nessa altura. Começa por ser um exercício de auto-ironia por ambos estarem então a lidar com problemas psiquiátricos e é uma referência/desvio do conceito clínico borderline.

Em março/abril de 2017 fazem uma residência conjunta nos Corny Boots Studios, estrutura produtiva de Bassanti em Lagery, França.

São cinco semanas de grande produção que se materializa num considerável corpo de trabalho. Há uma urgência de produzir que pouco se compadece com pruridos académicos e encontram soluções para continuarem a colaboração à distância com a ajuda das tecnologias de comunicação. O acidente e o acaso a que ambos sempre haviam dado grande importância nos seus trabalhos individuais torna-se quase um dogma. Mas trata-se de um dogma libertador e gestual, da pincelada e do dripping. Une-os a paixão pela representação, pela apropriação, pela tinta, pela quantidade e pelo improviso. Pintar como uma constante aventura. Une-os também a paixão pela viagem. A viagem física (Bassanti tem assinaláveis viagens e residências artísticas na Índia, Brasil e Cabo Verde, entre outros) e a viagem em geral : a vida/criação, bem como as pequenas viagens dentro da viagem maior, que acontecem sempre que se começa um novo trabalho.

Gostam de referir a Trégua de Natal, Christmas Truce (termo usado para designar o armistício informal ocorrido ao longo da Frente Ocidental no Natal de 1914, durante a Primeira Guerra Mundial) como uma espécie de avatar do trabalho dos Borderlovers e do seu pensamento.

A sua primeira exposição conjunta “Ça je peux le faire aussi” foi apresentada no dia 17 de Junho de 2017 na Galeria Shiki Miki de Paris